30 de agosto de 2011

Mal se corta pela raiz.



É isso, resumidamente, antes tarde do que nunca. O quanto antes você puder se livrar de tudo aquilo que tem impedido você de ir adiante, melhor. Seja virtualmente, 'presencialmente', emocionalmente, espiritualmente, e todos os outros 'finalmentes' que poderíamos colocar aí.
As vezes estamos com o machado na mão, mas e a força para levantá-lo, cadê? parece que a raiz conversa com a gente, e tem um poder de convencimento impressionante, ela sabe o poder que nos exerce. A raiz das nossas conversas, a raiz dos nossos atrasos, a raiz das nossas paradas, a raiz das nossas friezas, a raiz das nossas tristezas, a raiz das nossas lágrimas, sabemos bem onde cortar. Basta querer.
Eu demoro para tomar uma decisão definitiva porque sei que na hora que eu tomá-la, até eu vou assustar, sou meio radical e coisa que não tenho medo é de mudança, na verdade eu adoro mudar. Se eu decido tirar algo ou alguém da minha vida é no ato. Posso arrepender? sim, mas se for algo de 'raiz podre', que esteja me fazendo mal sinceramente mesmo com arrependimento, eu vou continuar com minha decisão. Não existe nada pior do que ficar no meio termo, no morno, no meio do caminho, é sim ou não. Detesto o não sei ou o talvez. Ou algo é bom para mim ou não é. A não ser para fazer algum prato especial , não recomendo nunca banho maria, para ninguém.
Já cortei muitas coisas da minha vida e ainda estou cortando, é que no decorrer da caminhada vamos deixando crescer algumas raízes que não deveriam estar crescendo tanto, outras infelizmente raízes que seriam promissoras de bons frutos a medida que vão se envenenando e secando só nos resta uma opção: o corte, porque senão as demais raízes boas podem ser contaminadas também.
Os cortes doem porque a raiz está fincada por vezes no mais profundo do nosso ser, é como se estivéssemos nos cortando e o triste é que para a raiz geralmente não faz a menor diferença estar ali ou em qualquer outro lugar, mas para quem está sendo cortado e quem está cortando faz.
Maus hábitos, maus relacionamentos, más palavras, maus pensamentos, maus passados. Cortei algumas raízes durante este ano, e ainda tenho outras para cortar. Estou com uma plaquinha: fazendo a limpa no meu jardim. Estou cortando o mal pela raiz, sei que estou me cortando por inteira também algumas machadadas estão doendo mas quando cicatrizar meu jardim estará limpo, as raízes que ficaram continuaram a crescer firmes, as lagartas abandonaram seus casulos e viraram borboletas, e certamente irão voar livremente por aqui.
"Aprendi com as Primaveras a me deixar cortar para poder voltar sempre inteira".


Cecília Meireles

Deixo uma canção que me embala nesses momentos de poda.


Si Caetano -  A Lagarta


2 comentários:

  1. Estou passando por um momento parecido, lindas e sábias palavras !!

    ResponderExcluir
  2. Vivian Sena, obrigada pelo comentário.
    Seja bem vinda.
    =)

    ResponderExcluir

Créditos das Imagens

Todas as imagens ou conteúdos de terceiros que são utilizadas nas postagens deste blog, estão devidamente informadas do crédito ou da fonte de onde elas foram capturadas. Caso o autor queira que a imagem ou conteúdo seja retirado, basta entrar em contato no e-mail contato@diariodeumalagarta.

Direitos Autorais

Todo o conteúdo do Diário de uma Lagarta está protegido sob as leis de direitos autorais brasileiras. Portanto, é expressamente proibido a reprodução de qualquer conteúdo autoral em texto, imagem, áudio ou vídeo sem o consentimento da autora deste espaço. O mesmo equivale para o título do blog ou para qualquer elemento da atual identidade visual e gráfica. Caso haja uma violação de respeito ao direito autoral e intelectual, o autor desta infração sofrerá todas as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis, tendo como base a legislação brasileira vigente.

Cadastre-se