6 de outubro de 2021

Deixa para lá


É muito comum as pessoas confundirem pessoas intensas com pessoas dramáticas, mas essa injustiça eu não vou cometer: o dramático cansa as pessoas, os intensos se cansam. O dramático interpreta que sente muito, o intenso sente e transborda e vaza por todos os poros - é sobre isso que pensei outro dia enquanto tomava banho e rebatia mentalmente alguma situação que não fazia o menor sentido relacionar. 


Queria defender os intensos mas não há defesa, eles estão condenados as piores formas de existir que o ser humano poderia ter - aquelas que precisam sentir muito e tudo e sempre para só então respirar e deitar a cabeça em paz no travesseiro. Não é que eles podem não ser assim, não há saída para o que se é, ou você é ou você simplesmente rasteja pela vida como um zumbi. 


Não dizer o que sente, esconder o jogo e tentar conter os gritos de alegria que a alma dá com uma mínima reciprocidade quase infantil é para quem consegue fazer drama, não para os intensos. Não há cálculo, não há atalho, só há vontade, energia e aquela falsa sensação de poder que a explosão do intenso promete gerar antes de cair em desgraça com as consequências das suas não-escolhas. 


É por isso que o intenso joga limpo, porque ele precisa que o território exista para caber sua explosão, e se depois dela, não houver mais território, nem som algum, só então, eles deixam para lá. 


Mas é um deixa pra lá depois de ter dito tudo que queria, de ter dado todas as coordenadas de onde a bomba vai cair. Depois de instalar o caos, só depois disso, quando já não existir nada além de pedaços e poeira ele vai dizer.


Junta os cacos de si mesmo e vai colar sozinho, não há depois, promete que nunca mais vai se envolver em nada assim tão profundamente. Neste momento ele começa a se regenerar, parece que liga um autolimpante emocional e vai saindo do planetinha sem forma cheio de respostas que não precisava.


Vai rir depois porque não vai encontrar nexo no tamanho do investimento feito para com o estrago colhido é que não tem a ver com ninguém mesmo, é uma necessidade. 

Deixa para lá. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário como visitante do meu casulo, mas lembre-se de trazer o bom-senso com as letras.

Mais lidos

CATEGORIAS

Arquivos do Blog

Direitos Autorais

Todo o conteúdo do Diário de uma Lagarta está protegido sob as leis de direitos autorais brasileiras. Portanto, é expressamente proibido a reprodução de qualquer conteúdo autoral em texto, imagem, áudio ou vídeo sem o consentimento da autora deste espaço. O mesmo equivale para o título do blog ou para qualquer elemento da atual identidade visual e gráfica. Caso haja uma violação de respeito ao direito autoral e intelectual, o autor desta infração sofrerá todas as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis, tendo como base a legislação brasileira vigente.

Créditos das Imagens

Todas as imagens ou conteúdos de terceiros que são utilizadas nas postagens deste blog, estão devidamente informadas do crédito ou da fonte de onde elas foram capturadas. Caso o autor queira que a imagem ou conteúdo seja retirado, basta entrar em contato no e-mail contato@diariodeumalagarta.