19 de novembro de 2013

terça-feira, novembro 19, 2013

É tudo farinha do mesmo saco!


    



      Eu já perdi a conta de quantas vezes usei a expressão "farinha do mesmo saco", principalmente para dizer sobre pessoas que em algum momento ou situação, tomaram atitudes que eu desaprovei, achei errado, julguei e sentenciei: "É tudo farinha do mesmo saco mesmo." Convicta da minha assertiva expressão, herdada pelo sangue familiar simplista, chegava a me sentir mais leve ao pronunciar, mas curiosa que sou, queria saber se a origem da expressão faz jus ao sentimento que eu e tantos outros mortais alfabetizados (ou semi) na língua portuguesa querem imprimir com a poderosa frase que, nos faz sentir de certa forma "vingados" pela farinha. 

  Descobri que a expressão "farinha do mesmo saco" tem origem da expressão "homines sunt ejusdem farinae" (são homens da mesma farinha, em latim) e ela era utilizada para generalizar um comportamento reprovável. A metáfora faz referência ao fato de que a farinha de boa qualidade deve ser posta em sacos separados, para não ser confundida com a de qualidade inferior. Assim, utilizar a expressão "farinha do mesmo saco" é insinuar que os bons andam com os bons, enquanto os maus preferem os maus. Ou seja, é dizer que a pessoa 'não presta' e quem está com ela ou sua origem familiar, também não. Mas eu me pergunto, será que o ser humano pode ser considerado um tipo de farinha, comercializável e com qualidades variáveis, de acordo com o gosto do freguês? Acho que pode sim. Já temos teorias para comprovar isso. Vamos gastar fosfato, mas nem tanto. Então, se pensarmos que, fomos feitos do pó da terra... bem justificável. Se separarmos as pessoas por categorias do tipo, boas e más, se pensarmos que a culpa do fracasso do homem é porque alguns são filhos de Deus e outros são filhos do diabo, se pensarmos que o meio em que a pessoa vive é o único fator responsável para formar o caráter desta pessoa. Se pensarmos que identidade pessoal é um documento com foto, e apenas isso. Se pensarmos que todos os homens não choram, que toda mulher gosta de Bárbie, e sonha em esquentar a barriga no fogão e esfriar no tanque, se pensarmos que, a mulher é a culpada por termos dores pré-menstruais devido a mancada da Eva. Bom, se pensarmos nesse nível de profundidade realmente, colocar a humanidade toda dentro de um saco de farinha, é razoável. 


    Expressões de impacto ( encaixo os palavrões nesta categoria) ajudam a aliviar a tensão de um momento, ajudam a prevenir o câncer, afinal câncer é mágoa retida, já dizem alguns pensadores de boteco por aí. Mas, algumas destas expressões trazem consigo uma carga imensa de questões históricas, tradicionais, maniqueístas, que podem nos impedir de alcançar um raciocínio mais profundo. Beira ao ridículo, a um tipo de "preconceito" que ultrapassa questões étnico-raciais e nos leva lá para os feudos da idade média, colocando questões de sobrenome familiar em pauta, assim como as tribos bairristas da pós-modernidade. 


     Eu já vi famílias inteiras serem dizimadas assim: "ta vendo, de fulano de tal não poderia esperar outra coisa, é tudo farinha do mesmo saco", tal como um certo galileu. Fim. Pode jogar o saco fora, não presta. Se assim fosse mesmo, todo alemão seria nazista, todo filho de político obrigatoriamente seria ladrão, todo cristão seria amável, todo budista seria legal, todo brasileiro craque de bola, e toda brasileira seria puta, porque é essa a generalização que nos cabe ao redor do mundo. Cabe aqui um infinito de comparações deste mesmo calão. Ou então, partindo para o óbvio mas, esquecido fator neste tipo de pensamento: todos somos iguais. Porque afinal, somos todos farinhas do mesmo saco. Então, somos todos iguais porque o ser humano vem de um saco só. Não daria então para mensurar quais os tipos de farinhas poderíamos ser. Algo em torno de 7 bilhões de sacos variados, oi? 

    Me lembro neste momento de outra expressão popular, a da bacia. Não jogue fora a água suja da bacia com o bebê dentro. A água está suja mas, o bebê não pode ser descartado como um bocado de água suja. Ele não. Ele tem características únicas, que nenhum bebê no mundo terá. Por exemplo, cada um de nós tem uma digital. Isso já deveria ser evidência suficiente para não nos permitir adotar a expressão em questão, como verdade universal. Somos parecidos, temos semelhanças, e hábitos próximos. Mas não podemos eliminar uma espécie inteira porque, alguém ou alguns não corresponderam nossas expectativas, ou porque existam pessoas cruéis, ou que não se enquadrem (ainda bem) no que eu acredito ser bom. 

    Um aviso: Psicopatas são predadores na nossa espécie, não o padrão geral. Nem todo cidadão é um político brasileiro. Mesmo que tenhamos um potencial grande para isso.

     Para deixar mais claro ainda, eu acho que sim, existem farinhas boas e farinhas ruins. Mas eu disse farinhas, farinhas de trigo. Em relação ao ser humano, acho que ele tem os dois dentro de si. Em alguns momentos seu lado bom pode ser despertado, em outros o seu lado ruim. Depende de quem o toca. E de como o toca. E de quem foi tocado. As vezes, ele apenas não é tocado e age por racionalidade ou irracionalidade. Mas, nada que um bolo de cenoura com calda de chocolate não resolva esse problema de farinha. 

      Deixe a raiva passar e experimenta. Você verá que até a farinha que você acha ruim, pode se transformar em algo bom, saboroso e alegre. Quem sabe, um bolo te toca? Aceita um pedaço?

Si Caetano

11 de novembro de 2013

segunda-feira, novembro 11, 2013

O ópio do homem de lata.




De repente uma conversa surge em meio ao sono. Dentro de um quarto escuro, em uma casa comum da cidade, um homem de lata recebe uma visita inesperada, e um diálogo desabrocha de ambos olhares que se focaram, ali no meio do tempo: 



Homem de lata : Sabe querido, estive pensando e cheguei a conclusão que preciso daquela água  que você prometeu dar aquela mulher na beira do poço, não quero mais sentir sede sabendo que você pode me saciar.  Preciso dela para limpar meu coração também, acho que tem muita sujeira cá dentro, algumas coisas  congelaram  por falta de uso e como o tempo é de frio, não encontrei outro lugar para me esquentar.





Está tão frio lá fora, que foi inevitável esfriar aqui dentro também. Infelizmente eu permiti o inverno entrar pela janela (deixei ela aberta por muito tempo). Eu sei também que dentro do meu coração só você sabe pisar, então queria te pedir outro favor, será que seria demais pedir para aquecê-lo também? Porque eu sei que na hora que você aquecer meu coração muita coisa vai voltar a funcionar.


Parece que a caixa d'água estragou, não sai mais água. Não escorre pelos olhos. Só ouço estralos. 



O jardineiro: Meu querido amigo, sabes o que estás a me pedir? Suponho que saiba que a partir de então começará a sangrar porque vou aquecer seu coração, mas sugiro que espere mudar a estação. O inverno também tem sua função. Espere que o verão já vem. Não posso mudar as estações apenas para curar você. Mas, posso te ensinar a se aquecer.

Está  disposto a doer novamente, perceber  dores, se comover com o amor, se deixar afetar? Eu acompanhei você por todos os caminhos que te trouxeram até aqui, e estou feliz que mesmo assim você ainda queira  sangrar.

Corajoso, hein?


Homem de lata: Sim, quero. Quero sangrar novamente, quero que me aqueça, quero que amoleça meu frio coração, estou cansado de não ver as lágrimas rolarem, estou cansado de ver tudo acontecer  sem ao menos ter outra reação. Estou me sentindo um homem de lata, daquele desenho, sabe?

O Jardineiro: Tava com saudades das nossas conversas, você ficou muito tempo sem me falar com palavras. Te entendo, homem de lata, eu entendo você.
Homem de lata: Nosso amor realmente é forte, ultrapassou os limites da vida, da lógica, da razão e da morte. Veja só querido eu praticamente morto e sem vida ainda sim chamei por você e você me ouviu.   
Me dê vida também?  Quero viver  !

O Jardineiro: Minha vida é sua, não entendeu ainda, que meu amor em você e por você é mais forte? Jamais estive longe, estava ao seu lado, mas não podias me perceber. 

O homem acordou assustado em sua cama, e percebeu que embora não fosse aquele ser do seu sonho, se identificou muito a ponto de pensar que era mesmo um androide.
Uma lágrima então escorre dos seus olhos, e com sorriso entendeu que seu pedido foi realizado. Seu coração foi levemente aquecido,  o resto era questão de tempo. Acordou pensando no sonho que teve, de tão real, sentiu calor. A partir de então, tudo passaria a ser diferente por causa daquele breve, eterno momento.
Se deu conta que, era impossível ter aquele sonho, de forma tão precisa.

Mas sonhou. E agradeceu. 
Aquele ser nunca mais foi o mesmo. 
Ele passou a ser humano.


Si Caetano

8 de novembro de 2013

sexta-feira, novembro 08, 2013

Dançando com a vida


Eu quis fazer as pazes com a vida
Olhei no fundo dos seus olhos, e fiz o convite
chamei a vida para dançar
Quem sabe assim, ela fica mais próxima a mim
e me convence a aceitá-la?
Ela sorriu de volta e veio ao meu encontro.
Me compliquei nos passos que ela começou a traçar
me embolei, cai e pensei que não conseguiria levar.
Quase desisti, quando a música começou a mudar
cada hora ela pedia um ritmo, e o passo começou a apertar.




Mas ela como mestre na arte de ensinar
me deixou segui-la aos 'trancos e barrancos'
até que eu aprendesse a rebolar.

                    

No final das contas decidi não trapacear
Confessei a vida, disse que não sabia dançar
Ela me olhou profundamente 
Aquele olhar me encheu o coração e então
segurando firme na cintura da vida
dançando com a música que ela pedia, prossegui.

No compasso do tempo, me empolguei
desistir? não mais....
ela não aceitaria a deselegância
de largá-la sozinha no meio do salão.
Inventei essa desculpa, por ela
Já não queria deixá-la 
ansiava pela continuação.

Então, 
Continuo dançando até agora, 
ainda não aprendi. 
Mas isso não é essencial. 
Ela me disse, com seus sorrisos 
e olhos profundos
que o ritmo pode mudar
os passos podem falhar mas, o mais
importante é dela vida, não largar.

Si Caetano

7 de novembro de 2013

quinta-feira, novembro 07, 2013

Recomeçar




A nossa vida é assim, cheia de recomeços. Eu amo esses clichês cheios de verdade, porque o que mais ouvimos no dia a dia são verdades que ignoramos por preguiça ou por já saber o óbvio, mas ao mesmo tempo são delas que esquecemos no dia que precisamos lembrar. 
O óbvio nem sempre é o que escolhemos ouvir na hora que precisamos de uma resposta. Mas voltando ao começo, recomeçar é preciso Devemos entender isso quando uma fase termina. Tem gente que recomeça sem terminar a fase atual e aí no final das contas está com muitas coisas pela metade, inclusive seus corações. O ser humano no pior sentido é assim, detesta sentir dor, e enquanto puder antecipar e pular um sofrimento, assim fará. É nossa doença atual, herança da praga moderna. Mas é no sofrimento, na tentativa, na frustração que conseguimos ser mais humanos no sentido agora positivo da palavra, ser humano é o que falta para nós. Aí entra o recomeço, o recomeço deveria ser o começar de novo depois da tentativa frustrada, depois de apostar todas as fichas, depois de gastar todas as fontes de energia.
É aquela sensação depois do fim de um relacionamento que quando terminou, levou embora todos os nossos sonhos de viver uma história de amor, é aquela dor depois de perder a vaga tão esperada na universidade, aquela sensação de tristeza depois de voltar do enterro de uma pessoa muito querida. Espere seu luto, viva-o intensamente, mas quando chegar a hora, recomece.
Recomece sim.

Eu já perdi a conta de quantas vezes eu recomecei do zero. O sol já perdeu a conta de quantas vezes ele brilhou depois de um dia cinza. Por mais que hoje falte vontade para recomeçar, acredite que o sentido não é um lugar a se chegar mas, o trajeto. Somente caminhando descobriremos o sentido ou pelo menos, vamos nos dar a chance de descobrir outros caminhos. É fácil dizer palavras bonitas para alguém que não está olhando nos meus olhos, mas também não é fácil escrever sobre, me coloco numa posição arriscada, sabe porque assumi o risco? Porque encontrei sentido nisso. E assim é, quando acreditamos que a vida não é apenas um jogo de azar achamos nas coisas simples, o nosso grande motivador, achamos o amor em diversas esferas da vida, e então, encontramos nosso elo perdido, e a vontade para continuar vem enquanto a gente organiza as gavetas do armário ou troca a roupa de cama. Não importa se você caiu mil vezes, levante mais uma vez. Quebrou o coração em mil pedaços, cate do chão e cole cada pedacinho, é com cada pedacinho que sua alma vai voltar a acreditar no amor. Ainda existe muita coisa para acontecer, a peça ainda não teve seu último ato, não saia do teatro depois de uma fala errada, ou depois de um aparente desastre. Repita o texto só que agora com mais emoção, se for preciso, improvise, arrisque. Vamos lá.

Tem gente que te ama na plateia. Acredite.
Ainda dá tempo.
Corre.

Créditos das Imagens

Todas as imagens ou conteúdos de terceiros que são utilizadas nas postagens deste blog, estão devidamente informadas do crédito ou da fonte de onde elas foram capturadas. Caso o autor queira que a imagem ou conteúdo seja retirado, basta entrar em contato no e-mail contato@diariodeumalagarta.

Direitos Autorais

Todo o conteúdo do Diário de uma Lagarta está protegido sob as leis de direitos autorais brasileiras. Portanto, é expressamente proibido a reprodução de qualquer conteúdo autoral em texto, imagem, áudio ou vídeo sem o consentimento da autora deste espaço. O mesmo equivale para o título do blog ou para qualquer elemento da atual identidade visual e gráfica. Caso haja uma violação de respeito ao direito autoral e intelectual, o autor desta infração sofrerá todas as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis, tendo como base a legislação brasileira vigente.

Cadastre-se