Postagens do Blog

Odeio corretor ortográfico ambulante.

By quarta-feira, fevereiro 19, 2014 , ,







             Detesto corretor ortográfico, porque ele sabe corrigir mas não garante o sentido das minhas palavras. Me aponta palavras equivalentes, mas que não traduzem o sentimento da minha frase. Chega a ser constrangedor algumas vezes, quem nunca passou vergonha por causa de alguma palavra corrigida e substituída automaticamente pelo corretor?  Você iria escrever padaria e ele substitui por peitinhos. Silêncio. É hora de disfarçar e dizer : maldito corretor ! Mas não bastasse termos que lidar com a parte chata de querer escrever certo no celular, surge uma nova modalidade de pessoas. Os corretores ortográficos, ambulantes. Não existe nada mais chato, que uma dessas pessoas na roda de conversa. Os corretores ortográficos modo ambulantes, querem doutrinar as pessoas. Como se fosse um pecado mortal errar. Não é. Repito, não é.  E quando se trata de erros grotescos, não é ficar escrevendo texto criticando que vai resolver o problema. Tira seu certificado de professor de português vai para sala de aula, e resolva o problema do Brasil, porque o buraco é muito mais embaixo. 

                Um bom texto é muito mais que um conjunto de belas palavras escritas corretamente.

            O que a maior parte destes não sabem é que dentro das universidades existem pesquisa sobre este tema, onde se discute muito a respeito de não existir certo ou errado quanto a fala por exemplo, e quanto ao texto, dependendo aonde ele foi vinculado, é até compreensível o uso de certas linguagens, fora a norma culta.

            Percebo muito nas redes sociais uma forma peculiar de escrita, além de ser um "lugar" diferente do escritório onde trabalho, a de se considerar os deslizes na escrita  como resultados também de fatores como: celular, teclinhas pequenas, touchscreen, ônibus balançando e outras aleatoriedades que a mobilidade nos infligem.

             Será que é tão difícil ser menos cruel com questões tão "estéticas"?  O propósito da escrita é comunicação. Em ambientes que requerem formalidades, como o ambiente escolar, empresarial, entre outros, o rigor é compreensível e imprescindível, mas quando vejo os "excessos" da classe de bem, politizada, que gosta mais de leitura que das pessoas a sua volta me pergunto, quem consegue conviver com gente assim por perto?

                Sou a favor de "corrigir" pessoas quanto à ortografia em um caso específico: quando o sentido do que se escreveu/falou ficou comprometido, fora isso, acho de extremo mau gosto expor a pessoa. Tenho a impressão que algumas destas pessoas que corrigem outras em público, fazem apenas pelo prazer de mostrar superioridade. A norma culta existe para padronizar o texto público, facilitando a comunicação, mas quando se trata da fala, não existe uma norma. Temos aqui no Brasil por exemplo, várias derivações da mesma língua, o que chamamos de regionalismo. No sul se fala tu, em minas ocê. Você vai me corrigir por isso? Eu sou mineira, uai.

              Tenho um pessimismo guardado aqui no peito, eu acho que a chatice piegas dominou as pessoas. Neste ponto, só o bom senso não resolve. Quem é chato, é mió deixa de lado.

                Corrija meu silêncio. Ou meu texto. Mas, você entendeu bem o recado, né?


 Indignada com o politicamente correto burro.

Quer receber novos textos? Digite seu e-mail na caixa abaixo, clique em cadastrar, pronto. É gratis !

Delivered by FeedBurner


Você pode gostar também:

Dê sua opinião sobre o tema, comente e participe do blog.

Para Comentar escolha um dos sistema de comentários abaixo:
comentarios google
comentarios blogger
comentarios facebook